Ocorreu um erro neste gadget

8/03/2007

AUTO-RETRATO

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces / Estendendo-me os braços, e seguros De que seria bom que eu os ouvisse / Quando me dizem: "vem por aqui!" Eu olho-os com olhos lassos, / (Há, nos olhos meus, ironias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... / A minha glória é esta: Criar desumanidades! Não acompanhar ninguém. — Que eu vivo com o mesmo sem-vontade / Com que rasguei o ventre à minha mãe Não, não vou por aí! Só vou por onde / Me levam meus próprios passos... Se ao que busco saber nenhum de vós responde / Por que me repetis: "vem por aqui!"? Prefiro escorregar nos becos lamacentos, / Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos, / A ir por aí... Se vim ao mundo, foi Só para desflorar florestasvirgens, / E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada! O mais que faço não vale nada. / Como, pois, sereis vós Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem / Para eu derrubar os meus obstáculos?... Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós, / E vós amais o que é fácil! Eu amo o Longe e a Miragem, / Amo os abismos, as torrentes, os desertos... (...) (José Régio)

Bolsa a tiracolo "céu rosa"

Bolsinha feita em tear artesanal com sobras de várias cores e tipos de lãs. Fecha com velcro.
Apenas por encomenda.

Um cartão que já é um presente.

Cartão em "quilling" tamanho postal - frente.

Cartão aberto.

Disponível em várias cores e tamanhos. Informações e encomendas para ecodesenho@gmail.com.

Bandeja Massari

Mais uma "altered art". Uma antiga bandeja de metal de boa qualidade, mas cheia de marcas de ferrugem, ficou assim após ter sido revestida de filtro usado de café tingido com corantes naturais e découpage.